home
Welcome, Enjoy your stay.

  

A Bioenergia

 
Há não muito tempo, o professor Sebba, chefe da seção de química da Universidade de Johannesburgo (Africa do Sul), descobriu, no de-correr de suas pesquisas sobre o câncer, que as bolhas de Reich não eram tão fantásticas como se pensava, mas uma realidade científica. Por meio do uso da coleterine, uma substância espumosa bilíquida (essas substâncias são chamadas bilíquidas por serem compostas por dois líquidos diferentes que, juntos, formam uma bolha do tamanho de uma célula), Sebba conseguiu, em 1973, utilizando processos de emulsão, diminuir o tamanho de uma célula. Aos líquidos ele acrescentou determinados minerais, que se fixaram após um processo que transformou os líquidos em bolhas de espuma. Sob o microscópio, eles se comportavam como os bionos de Reich, mexendo-se como amebas e vivendo. Por isso, o pesquisador batizou sua descoberta com o nome de "amebas artificiais".
"O que aconteceu nesse caso?", pergunta Kropp. "Os minerais", responde ele mesmo, "sob a influência dos campos magnéticos terrestres, ligaram-se entre si. O resultado foi a geração de campos de vibrações eletromagnéticas que então foram atingidos por sua freqüência de ressonância no universo.  O vácuo ressonante de Popp, os valores elétricos do professor Lakhovsky, os bionos de Reich e as amebas artificiais de Sebba são todos como tijolos de uma enorme construção que reúne provas científicas para assegurar a existência da bioenergia."

Polaridade parece ser a palavra-chave para todos os acontecimentos bioenergéticos do universo. Isso é conhecido desde tempos remotos, e os chineses, com sua filosofia do yin e do yang (princípios masculinos e feminino da Criação e dos Criadores), sabiam que a harmonia do universo depende do equilíbrio entre essas duas forças não apenas em termos espirituais, mas também físicos. A quebra do equilíbrio é a origem da doença

A Terra tem dois pólos, um ao norte e outro ao sul. "Entre eles", assinala Kropp, "no decorrer de bilhões de anos, surgiram todas as formas de vida". Ele parte dessa hipótese e procura criar seus aparelhos, "uma miniatura prática desse equilíbrio primordial dentro do laboratório." Não deixa de ser importante a observação de que a bioenergia se comporta de maneira bastante semelhante à energia eletromagnética, uma vez que as duas apenas são capazes de provocar alterações dentro de uma célula — e portanto numa criatura viva — quando trabalham em conjunto. Do universo e do magnetismo terrestre chegam as freqüências geradoras da vida, através da aura e dos pontos de energia (acupuntura) existentes no corpo dos seres.

Os pontos da acupuntura seriam os condutores mais sensíveis existentes no corpo humano. Base-ando-se nessa terapia, Kropp parte da idéia de que os menores seres causadores de doenças — vírus e bactérias — são estruturas energéticas geradas exteriormente. Dessa maneira, também eles têm uma freqüência bioenergética própria, que os gerou e os conserva. Se conseguirmos interferir nessas freqüências, neutralizando-as, essas estruturas se dissolverão e deixarão de existir. Com esse método ele conseguiu, em 1978, pela primeira vez, atingir os causadores da toxoplasmose, uma doença que afeta o sangue e origina cansaço constante, além de impedir a concentração.

Com um aparelho que construiu com a colaboração de um engenheiro, Kropp criou "energias bioenergéticas ligadas a energias eletromagnéticas", através das quais combateu a toxoplasmose interferindo na freqüência do vírus dessa doença. Essa substância bioenergética era então modulada sobre uma substância "carregadora", que no caso era sal de cozinha isotônico, um preparado cuja composição é aceita pelo sangue (e que por isso é usado em muitas transfusões), e também pequenas placas redondas de metal.

Uma vez tudo pronto, a solução bioenergética gerada para combater o vírus é injetada na veia, podendo também ser ingerida ou esfregada sobre o corpo. Também ligações homeopáticas de cobre, prata, ouro e ferro servem como "carregadores". Não importa se se trata de metal ou solução, a impregnação bioenergética provocada por essas substâncias se dá por elas con-terem minerais que, em razão de sua estrutura química, são carregadores e condutores de processos energéticos polarizados. Por fim, também são minerais que dão origem às substâncias bilíquidas espumosas, como as amebas artificiais de Sebba.

No caso da toxoplasmose, a solução de sal carregado com a informação bioenergética que combaterá o vírus da doença é injetada três vezes, com intervalos de três dias. Uma das pacientes tratadas estava doente há quinze anos e outra há dezoito, as duas tendo as mesmas reações: cansaço constante e desânimo geral. Após o tratamento, tudo sumiu e a vontade de viver retornou a ambas. Um exame posterior, realizado num laboratório através do teste Sabin-Feldman, não mostrou nelas mais nenhum sinal da toxoplasmose, e até o momento elas se encontram em perfeito estado de saúde.

A princípio, o método de Kropp permite impregnar as pequenas placas de metal com vibrações de bioenergia interferente, que atingem o cerne do causador da doença. Mas. uma pergunta: como Kropp determina as freqüências hostis ao vírus, que ele chama de energias de eliminação? Por um lado, ele usa um pêndulo que responde às suas perguntas como "indicador", enquanto por outro utiliza os pacientes como "medidores". Isso evidentemente permite uma margem de erro relativamente grande, que o desenvolvimento tecnológico futuro deverá reduzir.

O primeiro teste nesse sentido é o do medicamento do doutor Voil, que foi desenvolvido especialmente para testar a eficiência terapêutica dos remédios homeopáticos. Nele, o paciente segura um eletrodo que toca nos pontos de acupuntura de seus dedos e que está também li-gado a uma prateleira de metal cheia de ampolas com medicamentos. Tudo isso é então ligado a um aparelho que registra uma mudança da resistência principal, e uma ta-bela de valores permite verificar a eficácia do medicamento. Também nesse caso o princípio do teste é bioenergético.

Apesar do paciente ter uma ligação com o medicamento somente através do elétrodo, ocorre uma transmissão de informação entre a irradiação bioenergética do paciente e a dos medicamentos, que se expressam separadamente nos valores da resistência principal. Com o mesmo aparelho pode-se constatar que os veios de água e as zonas telúricas examinados pelos radiestesistas têm realmente uma influência sobre o corpo humano. Assim, podemos também testar a eficácia das substâncias carregadoras bioenergéticas

Kropp disse que também a medicina alopática, embora inconscientemente, trabalha com processos bioenergéticos, e que isto pode ser observado quando num lugar qualquer do corpo é injetado, por exemplo, um medicamento destinado a ajudar o fígado, sem que o lugar da injeção esteja diretamente ligado ao órgão doente. Nesse caso, ele diz que ocorre uma reação do corpo à informação transmitida, que então inicia os processos terapêuticos correspondentes. Quando o corpo deixa de reagir, o médico pode injetar litros de remédios: nada conseguirá. Esses medicamentos contêm em si uma determinada informação bioenergética, que evoca no corpo as reações adequadas.

Entretanto, as substâncias químicas desses medicamentos provocam no corpo reações colaterais, quando ele não pode dissolvê-las. Assim, podem passar a ser fontes de novas doenças. A utilização de uma informação bioenergética pura, ligada a uma solução salina totalmente inofensiva, elimina esse risco. Além disso, o tratamento bioenergético é muito mais barato que a quimioterapia tradicional.

"Mas", ressalva Kropp, "esse modo alternativo de tratamento ainda engatinha. A grande dificuldade é a determinação de indicadores capazes de diferenciar as diversas bioenergias e medi-las." Por falta de outras possibilidades, ele trabalhou até agora só com o pêndulo. De qualquer maneira, porém, os resultados provam a eficácia do método.

Os pontos de acupuntura são os mais utilizados para a condução das energias que deverão influenciar certos órgãos. "Uma placa de metal carregado na altura do meridiano do fígado", diz Kropp ao citar um exemplo, "com determinado con-teúdo de informação bioenergética, incentiva visivelmente o funciona-mento dos rins, fazendo com que eles se livrem da água armazenada no corpo do paciente, que passa a urinar diversas vezes por dia. Quando se retira a placa, a diurese cessa rapidamente."

Porém, segundo Kropp, nem todas as pessoas têm a sensibilidade adequada para reagir a essa espécie de terapia. principalmente aquelas que se opõem espiritualmente ao método ou se encontram sob o efeito da cortisona ou da morfina. O teste de medicamento de Voil mostra a existência de uma possível "ponte espiritual" entre o tratador e o paciente.

Isso permitiria que os médicos tratassem seus pacientes com soluções bioenergeticamente modela-das, sem lhes explicar a natureza do medicamento, para que não houvesse uma reação ao método. Diversos médicos que trabalham com Kropp agem dessa maneira; assim, não é a confiança no remédio que é decisiva para o' processo terapêutico, mas sobretudo o fato de não haver uma barreira psicológica contra ele.

Nas culturas de sangue, prepara-das de acordo com o método do químico O. Snegotska, de Berlim, podem-se perceber determinadas "vegetações" de glóbulos muito antes da formação de um tumor maligno, um reumatismo ou outras doenças. Nessas culturas, Kropp observou que para qualquer doença — como, por exemplo, o câncer — existe todo um tipo de causadores intimamente ligados. Por isso precisamos encontrar energias eliminadoras se desejamos exterminar a doença. Baseando-se nessas observações, o pesquisador localizou até hoje sete energias eliminadoras para o reumatismo e doze para o câncer. O resultado surpreendente das freqüências bioenergéticas de Kropp no combate a várias doenças foi confirmado pelo doutor S. (que pediu que seu nome não fosse citado), de Kastel, com quem Kropp colabora.

O doutor S., que clinica em consultório próprio há dez anos. "não acreditava", como ele mesmo diz, "em nada dessas coisas de tratamentos bioenergéticos". Porém, quando, apesar de seu ceticismo, começou a se interessar pela bioenergia, tornou-se alvo de ataques violentos de seus ex-amigos ortodoxos. Também ele enfatizou que a importância e a eficácia do método de Kropp até o momento não são mensuráveis, mas afirma que, sem dúvida alguma, a introdução de terapias bioenergéticas no tratamento de seus pacientes deu resultados extraordinários, nítidos e óbvios.

Mesmo assim, S. diz que é pre-ciso considerar o fator tempo. Ele trabalha há mais ou menos três anos com essa nova terapia, muitas vezes combinando-a com medicamentos homeopáticos. No princípio, após injeções de soluções bioenergéticas, ele observou resultados imediatos mas de curta duração, que ainda não significavam sucesso total. Um período de dois anos de tratamento, porém, é decisivo: após esse tempo, a cura tem-se mostrado total. Numa das experiências de S. foram cura-dos dez pacientes que sofriam de pressão alta e outros trinta com doenças diversas. Ele também con-seguiu bons resultados em oito casos de esclerose múltipla, doença praticamente incurável, ao combinar o método bioenergético com remédios homeopáticos.

Ao julgar o método por ele desenvolvido, Kropp mostra a objetividade de um cientista: "Ainda é cedo para se poder falar em termos decisivos. Apenas posso dizer que, através do tratamento com soluções bioenergéticas, consegui resultados interessantíssimos. Acima de tudo, ofereço uma terapia que, em com-binação com tratamentos de eficácia já conhecida, pode levar a resultados ainda mais surpreendentes Quase todos os pacientes declararam que logo após o inicio do tratamento bioenergético   ---   mesmo em casos de cancer e reumatismo   ---   as dores desapareceram , e eles passaram a se sentir melhor , com mais vitalidade e disposição para viver . "

A utilização do método dá-se em dois níveis: eliminação dos causa-dores da doença e reconstrução ou refortalecimento da resistência própria do corpo através da introdução de soluções bioenergéticas. Kropp menciona a alimentação adequada como outro fator importante na terapia, assim como a eliminação de influências e irradiações magnéticas negativas no ambiente em que se vive. Também é necessária uma reestruturação bioenergética do ambiente íntimo, com escolha racional de cores, tapetes, tecidos, madeiras, etc.

Quanto à importância do princípio bioenergético em sua função de manifestação de uma doença, Kropp disse: "As células, o núcleo e as moléculas de hidrogênio são capazes de armazenar influências negativas do ambiente bioenergético. O total desses armazenamentos pode chegar a barrar totalmente o mecanismo receptor das células, que assim podem ser desliga-das da irradiação saudável e vital do universo para passarem, cada vez mais, a receber a irradiação bioenergética própria dos causadores da doença. Quando finalmente a célula se encontra na mesma freqüência vibratória dos agentes da doença, esta se apresenta."

A partir dessa constatação, é bioenergeticamente óbvio que o stress e todas as tensões psicológicas podem, por exemplo, provocar o câncer. Observando a corrente de causalidades que levam à doença, ele observou que primeiro se dá a influência da informação doentia formada pelo impulso bioenergético, e que apenas posteriormente surgem os fenômenos químicos correspondentes.

A bioenergia não somente pode curar doenças como também preveni-las por meio da vacinação. Normalmente, todos os processos de vacinação trazem consigo o risco de uma rejeição violenta do corpo — a reação da imunidade. Os elementos carregadores de cada reação de imunidades são as proteínas das substâncias reativas — por exemplo, a reação de imunidade após a vacinação contra a varíola pode provocar a conhecida encefalite pós-vacinatória, capaz de causar lesões irreparáveis ao cérebro. Uma vacinação pelo método de Kropp, entretanto, ao tirar a informação bioenergética de um carregador e impregná-la numa substância neutra, levaria as pessoas a uma imunização sem riscos e sem qualquer efeito colateral como febre, mal-estar, etc.

Kropp, como pesquisador solitário, sabe muito bem que necessita da ajuda de outros colegas. Por isso, ele procura o auxílio de profissionais interessados em pesquisar junto dele e pensa especialmente nos físicos, que possuem aparelhos e meios de detectar transformações no átomo — por exemplo, com o microscópio eletrônico, no espectro de massa. Ele precisa também da ajuda de leigos ou biólogos que pos-suam culturas vivas de vírus e bactérias; e, para desenvolver um programa de tratamento bioenergético de viciados em drogas sem as des-vantagens dos tratamentos ortodoxos, precisa de pessoas com experiência no ramo, inclusive viciados.

As perspectivas que se depreendem do trabalho de Kropp são impressionantes. Fundamentando- se no princípio bioenergético que une na teoria e na prática elementos ocidentais e orientais, ele vê possibilidades de influenciar a trajetória dos elétrons e, assim, provocar alterações no átomo. No futuro, a bioenergia poderá oferecer, com seu método de tratamento de doenças, a possibilidade de se enfrentar doenças novas, e as que se tornam cada vez mais resistentes, de uma maneira que a medicina moderna até o momento não conseguiu.



 



 

 

 
         
Copyright 2008 - Marcus Häendell