home
Welcome, Enjoy your stay.

  

Publicada em 02/08/2008 às 15h32m
O Globo Online

RIO - Confortavelmente sentado, cerre os olhos, respire fundo e esvazie a sua mente dos preconceitos em torno da meditação. Durante muito tempo considerada uma prática mística e esotérica, com todo o teor pejorativo que isso possa carregar, a meditação está passando por um processo de reciclagem.

Já aceita como um fenômeno físico, graças a recentes estudos do cérebro, ela tem sido usada por neurocientistas, psicólogos e outros especialistas como uma valiosa ferramenta, uma espécie de Lexotan espiritual, no tratamento de diversas doenças, segundo reportagem do jornal "O Globo" deste domingo.

- Quimicamente, a meditação parece estimular uma maior produção de certos neurotransmissores no cérebro, como a dopamina, responsável pelo sentimento de prazer e bem-estar, e a serotonina, ligada à sensação de felicidade - explica o psicólogo e mestre em neurociências da USP, Leonardo Mascaro, que acaba de lançar o livro "A arquitetura do eu". - Isso tudo ajudaria a explicar as melhorias de humor
registradas nos praticantes de meditação.

Em torno desse relativamente novo conceito, a meditação tem sido estudada por meio de técnicas científicas, como a análise das ondas cerebrais e procedimentos de diagnóstico por imagens, como o eletroencefalograma. O objetivo de especialistas como o médico psiquiatra Alcio Braz, mestre em antropologia social, é entender como a meditação atua no cérebro enquanto seus praticantes encontram-se imersos em profundos estágios de interiorização.

- A medicina ainda não explica todos os efeitos da meditação - diz Alcio Braz, que é chefe do Serviço de Saúde Mental do Hospital da Lagoa. - Sabe-se que parte desses efeitos tem a ver com modificações dos padrões de resposta a situações estressantes, com aumento da atividade de áreas de inibição da ansiedade e diminuição da secreção dos hormônios vinculados à reação aguda ao estresse.

 



 



 

 

 
         
Copyright 2008 - Marcus Häendell